sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Aos Amigos - Antigos e Novos

Aos Amigos - Antigos e Novos
Natal, festas e fim de ano chegando e também o momento em que a gente, meio que automaticamente, dedica um tempo para fazer o balanço do ano e lembrar de tudo o que aconteceu.

É uma época de alguma forma mágica, muita alegria, um pouquinho de tristeza, saudades, lembranças, recordações, planos, muitos planos e expectativas para o próximo ano.

No final das contas, se o resultado da fórmula Coisas-Boas menos Coisas-não-tão-Boas for positivo então saímos no lucro.

Quase do mesmo jeito que se espera um filho, a gente fica expectativa de que o novo ano "nasça" de uma vez prá gente poder ver como vai ser a "cara" dele.No fundo a gente sabe que serão mais 365 dias, lotados de muitas coisas acontecendo, e sem notarmos ligeirinho já vamos estar lá em Dezembro novamente.

Pensando nas coisas boas que nos aconteceram neste ano (felizmente muito mais do que coisas-não-tão-boas), não tenho como não lembrar dos amigos. Os antigos e os novos.

Os antigos, tivemos a felicidade de encontrar muitos pessoalmente quando estivemos no Brasil.
Mesmo por alguns minutos, valeu a pena o contato com cada um.

A velha guarda da CNP (e os dissidentes da Syonet, Sky, iVirtua, etc), a turma da Sadig, e obviamente os parceiros de festa e amigos prá todas as horas, Claudio e Bel, Careca e Pati, João e Gê, Kuki e Ju, Daniel e Kelly, George e Lu, Werner e Deise, Guto e Pena... Nossa, é impossível colocar todos aqui, mas a lista está bem guardada na memória.

Com esta turma as lembranças e estórias são de longa data. Sempre motivo para boas risadas cada vez que nos encontramos. Se tiver uma cerveja rolando junto, aí a coisa fica feia e vai noite afora. rsrsrs Nossas esposas, sempre bondosas, mesmo conhecendo todas as estórias de cor e salteado ainda se prestam a rir das nossas bobagens.

Por motivos que fogem ao nosso controle e nossa vontade, o tempo e a distância vão aos pouquinhos nos afastando dos antigos amigos. C'est la vie...

Afinal de contas a vida não para e a rotina vai nos envolvendo de uma forma em que sobra menos tempo para contatar os amigos (fora o fuso horário que complica também).

A despeito disto, contrariando tudo, a gente volta e meia dá um jeito de fazer um contato ou outro para manter a ligação. Mesmo que seja só prá dar um "Oi" e perguntar como vai a família.

Com os novos amigos a estória é mais curta mas mesmo assim repleta de fatos tão marcantes que fazem parecer que nos conhecemos à muitos anos.
Já compartilhamos mudanças de casa, batida de carro, gravidez e nascimentos, festas de aniversários. Conquistas, descobertas, trapalhadas e risadas, muitas delas.
Os novos amigos substituem os antigos para as coisas do dia-a-dia, churrascos, festas e bate-papo. Também acabam por fazer parte de nossa "família" australiana, são nossos irmãos, primos, sobrinhos.

Aos tradicionais Antônio e Nara, Caio e Juliana, Maurizio e Mônica, vão se juntando alguns legítimos "ozzie" como nossos vizinhos o Peter e a Sandra, e colegas no trabalho, e aumentando a lista de amizades com novas caras.

Até mesmo novos amigos virtuais conquistamos. Aqui no blog e em contatos por e-mail e Facebooks da vida.

Nossos amigos, os antigos e os novos, tem suas manias, seus jeitos e até mesmo seus ranços. Bem do jeito que amigo tem que ser.
Nossos amigos, os antigos e os novos, fazem parte de nossa vida e tudo fica melhor com eles.

Prá mim, junto com a família, amizade é o bem mais valioso que possuo.
Me considero uma pessoa afortunada. Posso estufar o peito e dizer: "Eu tenho muitos amigos!".

Por isso, neste fim de ano quero fazer um brinde à amizade e desejar aos amigos, os antigos e os novos, um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de realizações.

Cheers!


domingo, 12 de dezembro de 2010

Aniversários

É curiosa a forma como a gente costuma marcar o tempo e as memórias em "aniversários", geralmente mais significativos de ano em ano.

Pois para a gente esta tem sido uma fase bem interessante em termos de aniversários.

Ontem completou-se dois anos de quando recebemos a carta a aprovação do nosso visto de Residente Permanente para a Austrália.

Dentro de duas semanas, vamos completar o primeiro ano morando na nossa casa.

E no próximo mês serão já dois anos morando no país.

Pois é, como dizia a musiquinha "o tempo passa, o tempo voa, e a poupança Bamerindus continua numa boa..." eh eh eh (esta só os mais velhos vão lembrar).

Esta foto foi tirada em Novembro de 2008, na Aldeia do Papai Noel em Gramado/RS. Neste lugar a gente escreve pedidos de coisas especiais em umas plaquinhas de madeira e deixa embaixo desta árvore para o Papai Noel. Nosso pedido foi conseguir o visto para a Austrália até o final de 2008.

Funcionou prá nós.



Vídeo de Perth

Uma das coisas que sempre lembro era de quando estávamos no processo de vir prá cá e procurávamos conhecer um ppouco mais do dia a dia em Perth.

Sempre achávamos fotos de lugares bacanas como praias ou parques, mas era muito difícil encontrar fotos retratando como era a vida nas ruas e bairros da cidade - lugares estes em que provavelmente vai se passar a maior parte do tempo.

Pensando nisto, e também para mostrar aos amigos quando estivemos no Brasil em Outubro passado, montei um vídeo caseiro que mostra um pouco de como são as ruas e bairros da cidade.

O vídeo foi feito com a máquina fotográfica e não tem nenhuma pretensão de ser uma obra prima, mas acho que vale como curiosidade. Pode ser acessado no Youtube neste link.


Show do Bon Jovi

Na última quarta-feira fomos ao show do Bon Jovi aqui em Perth, onde eles inauguraram a turne pela Austrália.

O show foi no Patterson Stadium (mais conhecido pelo antigo nome de Subiaco Oval) e começou por volta de 7 da noite.

Antes de irmos eu dei uma pesquisada na internet e descobri que o lugar não tem muitas opções para estacionamento.

Como o ticket para o show já incluia o transporte público, entrei no site da Transperth e encontrei todas as informações de transporte para o show.

Resolvi encarar o trem para ver como ia ser esta experiência.

O trem daqui é como o Transurb em Porto Alegre, ou seja um metrô que esqueceram de enterrar. Passa a maior parte do tempo na superfície e em alguns momentos vai por túneis.

Bom, saímos de casa e fomos de carro até a estação do trem aqui perto. Estacionei o carro (free) e pegamos o trem (também free) para ir até a estação central em Perth onde fizemos a baldeação para o outro trem (idem free) até o estádio.

Resultado, em menos de meia hora estávamos na fila para o show, sem nenhum stress de trânsito.

Na fila a gente ficou analisando o povo que estava comparecendo ao show. Tudo no estilo australiano, ou seja, sem estilo nenhum. Como sempre tinha gente toda arrumada, algumas "barbies" todas produzidas, alguns com camisetas do Bon Jovi e muitos "mates" de chinelo, bermuda e camiseta.

Interessante notar quando chegaram dois cadeirantes e entraram na fila, como qualquer outra pessoa que ali estava. Aqui eles não tem aquela coisa de que cadeira é "deficiente" e tratado como um coitado.

Como já comentei, estas pessoas assim como idosos tem uma vida normal. Vão ao shopping, shows, praia e também trabalham como qualquer outro.

Uma das grandes diferenças que vejo em relação ao Brasil é que aqui nada tem que ser adaptado para eles, pois toda a infra-estrutura já leva em consideração a acessibilidade para estas pessoas.

Bueno, voltando ao show, logo na entrada do estádio tinha uma tenda vendendo cachorro-quente, pizza e o tradicional fish and chips. Encaramos dois destes últimos e fomos para nossas cadeiras.

O estádio aos poucos foi enchendo até ficar lotado.

O show estava muito bom, com algumas músicas do novo álbum, mas agitava principalmente quando tocavam alguma das antigas.

Quando o evento terminou, o povo todo começou a sair, de forma bem organizada, mas era tanta gente que levamos uns 20 minutos até chegar na rua.

Fomos até a estação de trem, a uns 300 metros do estádio e já tinha uma fila enorme para pegar o trem.

Foi aí que pensamos "devíamos ter vindo de carro", mas depois de alguns minutos vímos que estávamos enganados.

A fila foi sendo "engolida" por trens de seis vagões que chegavam em intervalos de minutos e quando vimos já não tinha mais quase ninguém esperando pelo transporte.

Uma breve viagem até Perth, trocamos de trem para Thornlie e depois de alguns minutos já estávamos em casa.

Já esta no plano encarar o trem novamente para o show do U2, no domingo que vem... eehhhhhh


O estádio ainda vazio antes do show

domingo, 5 de dezembro de 2010

Salsaparrilha

Eu sempre via em muitos filmes americanos, principalmente quando retratavam décadas passadas, as pessoas falando em tomar salsaparrilha.
Tinha noção de ser alguma bebida, tipo refrigerante, mas nunca tive idéia de que gosto teria.
Pois ontem, ao fazermos compras, achei na sessão de bebidas a tal da bebida.
Aqui é vendido como regfrigerante, fabricado pela Pepsi.

Não resisti à curiosidade e comprei uma de 600ml.
Hoje, na hora do almoço, abri cheio de pompa e circunstância minha salsaparrilha, fazendo comentários sobre os filmes antigos para os guris.
Consegui tomar dois goles...
O troço é muito ruim, com gosto forte de anis. E eu odeio anis.

A Carla até tentou um golinho, mas refugou a ir mais longe.
Os guris, depois da minha cara de reprovação, nem se arriscaram. Preferiram ficar na tradicional Pepsi mesmo.

Bem feito prá mim, muita expectativa e uma tremenda decepção.
Se alguém quiser ainda deve ter uns 550ml na garrafa...


Festival of Speed
Na semana passada fomos ao autódromo de Barbagallo assistir a primeira ediçao do Festival of Speed.
Muitos carros bacanas e muitas provas de tudo quanto é tipo.
A atração principal foi o Mark Weber, piloto australiano de Fórmula 1, andando de RedBull F1.
Para quem gosta do assunto e quiser ver algumas fotos é só seguir o link FestivalOfSpeed.


Concerto de Final de Ano
Ontem fomos ao concerto de final de ano da escola de música dos guris.
Um lugar muito bacana, com palco ao ar livre, onde o pessoal fez piquenique para assistir o evento. Como já comentei várias vezes aqui, tudo vira farofada e o pessoal adora isto.
O Gabriel na bateria e o Ricardo no teclado tocaram uma música juntos, com o professor do Ricardo cantando.
O evento teve direito a simulador de neve e a chegada do Papai Noel.
Algumas fotos aqui.


No mais vai tudo tranquilo por estas bandas.
Fim de ano chegando a muitas atividades. Em menos de duas semanas os guris entram em férias.
Incrível como o tempo passa. Em Outubro fez um ano que fechamos o contrato para compra da casa, e dentro de mais tres semanas vamos completar um ano de nossa mudança.

Assim que der coloco mais notícias.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Austrália mantém o 2º lugar no ranking mundial de desenvolvimento humano

O Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento Humano (PNUD) publicou a noticia sobre Desenvolvimento Humano 2010, colocando a Austrália em 2º lugar entre o total de 169 países.

Todos os anos, desde 1990, o estudo sobre Desenvolvimento Humano publica o índice IDH. O estudo destina-se a realizar uma pesquisa da qualidade de vida mais ampla do que apenas a simples análise da receita per capita, incluindo valores como saúde, educação, igualdade social e política. Seu principal autor, Jeni Klugman, disse que registrou avanços dramáticos desde 1970.

O IDH prevê uma medida composta de três dimensões do desenvolvimento humano: uma vida longa e saudável (medido através da expectativa de vida), educação (medido pela alfabetização de adultos e matrículas escolares) e um elevado nível de vida (medido pelo consumo e poder aquisitivo).


Mais informações em: http://hdr.undp.org/en/statistics/

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

A Primeira Vez

Geralmente as pessoas lembram da primeira vez em que um fato relevante ocorreu em sua vida.

A primeira bicicleta, a primeira escola, a primeira professora, os primeiros amigos, o primeiro namoro, e o primeiro beijo.
O primeiro emprego, o primeiro carro, casa, filhos e por aí vai.
Algumas "primeiras vezes" a gente tem que resgatar em fotos ou com a ajuda da família e amigos, pois a memória já não ajuda tanto... rsrsrs

Mas e que tal se a gente puder ter uma segunda chance de ter a "primeira vez"?!

Pois esta é uma coisa que a gente acabou tendo como efeito colateral quando decidimos dar esta virada em nossa vida.

O primeiro dia na Austrália vai ser prá sempre lembrado, assim como pequenas coisas que foram se incorporando a nossa vida: o primeiro carro, a primeira casa, a primeira escola, móveis, os primeiros amigos, o primeiro emprego e assim por diante.

E tudo acontecendo muito rápido. Tão rápido que a gente as vezes nem se dá conta que em um período de pouco mais de 1 ano e meio conseguiu conquistar tudo isto.

É como se estivéssemos vivendo uma espécie de "segunda encarnação" e tendo a chance de fazer tudo novamente.

Quando estivemos no Brasil, no mês passado, um amigo perguntou qual era a sensação de deixar tudo para trás, poder esquecer de todos os assuntos do trabalho e todas aquelas coisas do cotidiano que acompanham gente por toda a vida.

Prá ser sincero, eu nunca havia pensado daquele forma e nem me dado conta de que isto havia acontecido, mas depois de pensar por alguns segundos, pude responder que a sensação era muito boa. E complementei dizendo que era uma sensação de renovação que todos deveriam experimentar alguma vez na vida.
Ele teve que rir e complementou dizendo que temia que eu respondesse isto. eh eh eh

Muita gente com quem conversamos diziam que tínhamos sido muito corajosos em fazer o que fizemos e que não conseguiam se imaginar seguindo o mesmo caminho.

De certa forma concordo porém sempre gosto de lembrar que perdemos algumas coisas para podermos ganhar outras.
Mas é tudo uma questão de como cada um encara sua situação e de expectativas pessoais sobre o futuro.

Bom, mas deixando de lado as divagações sobre a existência humana, de qualquer forma, ainda existe espaço para legítimas "primeiras vezes".

Já mais aprumados, e usando algumas economias que ainda temos no Brasil, conseguimos pela primeira vez (mesmo) comprar um carro zero quilômetro.

Apesar de ser fanático por carros, este era um luxo ao qual eu não tinha como me submeter antes.
Bens de consumo são mais acessíveis aqui e volta e meia a gente pode se dar o luxo de fazer um agrado ao próprio ego comprando algumas coisas além do somente o necessário.

Prá quem se interessa pelo assunto, o carro é um Hyundai Getz (acho que não tem no Brasil), muito polular por estas bandas, mais ou menos o que seria um Gol ou Palio no Brasil.
A gente pegou o modelo que vem com motor 1.6, automático, 5 portas, arcondicionado, direção hidráulica, ABS, airbags, controle de estabilidade, trio elétrico, rádio/CD com bluetooth, e outras "firulas".

Custa aqui relativamente um terço do que custaria no Brasil. Aí dá prá encarar né?!?

Aliás, os carros são mais baratos porque vem com a direção do lado errado... dãããhhh :-)

Como não podia deixar de ser, a Carla está bem feliz com o carro novo.



Fim de Semana
No sábado passado fomos a uma festa na escola do Gabriel.
Muitas atrações para as crianças, barracas de demonstração e venda de artesanato, as famosas "showbags" e opções para lanche.
O dia estava lindo, de um céu azul impecável. Um pouco calor mas mesmo assim tinha bastante gente no evento.

A principal atração era um daqueles brinquedos onde uma pessoa senta numa plataforma e outros atiram bolas tentando acertar um botão que faz com que a pessoa caia dentro d'água.
Eles conseguiram arrecadar uma boa grana dando a oportunidade para a gurizada dar um banho nos professores e até mesmo no diretor da escola.

O clima está esquentando por aqui e hoje chegou a 37 graus.
A previsão para amanhã e depois é baixar um pouco e talvez chover também, coisa que é bem esperada visto que a quantidade de chuvas no inverno foi abaixo do normal.


A gurizada não se importou em pagar 1 dólar por
duas chances de jogar o diretor na água


Festa e festa!


Atrações para a galerinha



segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Promessa é dívida

Tínhamos uma promessa para com os guris: quando voltássemos do Brasil iríamos comprar um cachorro.

Eles já estavam a tempo me conversando para que arrumássemos um "pet", mas com a viagem ao Brasil já programada achamos melhor esperar mais um pouco.

Chegando aqui de volta eles imediatamente lembraram da promessa.
O Gabriel queria inclusive pesquisar nas Pet Shop no dia em que chegamos.
Imaginem só, depois de 34 horas viajando e "confuso" horário de 11 horas de diferença, chegamos as 3 da tarde em casa, com oito malas prá abrir e ainda ter que sair para procurar cachorro...

Mas tudo bem, na quinta-feira fomos até o shopping no final da tarde e demos um pesquisada, mas não havia nenhum "totó" dentro do que estávamos procurando.

Queríamos um cachorro que fosse de pequeno ou médio porte. Eu sugeri um Jack Russel e o Gabriel comentou sobre um Beagle.

No sábado pela manhã novamente fomos pesquisar as pet shops.
Foi quando encontramos uma repleta de filhotes prá todos os gostos.

E lá estava "ela". Uma filhote de Beagle com 7 semanas e cara de "me leva prá casa".
Depois que a atendente da pet shop deu ela para a Carla e o Gabriel segurarem, não teve como escapar.

Estava escolhida a mais nova integrante da família: a Cindy.
Como não podia deixar de ser, tivemos que fazer um pequeno rancho de apetrechos para que nosso "puppy" pudesse chegar em casa com toda a infra-estrutura necessária.

Além disso tive que assinar toda a documentação de transferência dela para o meu nome, juntamente com o registro do microchip.
Feitas todas as recomendações, recebi uma pasta com todo o registro dela, incluindo calendário de vacinas, medicação para vermes, vouchers para veterinário, etc.

Ela se adaptou rápido a nossa rotina e até ajuda em casa frequentemente.
Já "podou" a folhagem da Carla, ajuda a levar tapetes de um lado para outro, esconde sapatos e outros objetos que encontra pelo chão, e por aí vai...

Estamos agora na fase de treinar a ida ao banheiro. Algumas vezes ela faz as "necessidades" no quintal, mas algumas vezes ainda temos que limpar poçinhas dentro de casa.

A casa agora está mais cheia e ela recebe muita atenção.
Aliás, eu queria comentar de como os Ozzies são muito cachorrentos. Até mães de colegas dos guris já vieram aqui em casa para ver a Cindy.

O próximo passo agora é fazer o registro dela na prefeitura. E tem que pagar uma taxa anual para ter cachorro.
Até nisto a gente está reaprendendo.

Não se deixem enganar por esta carinha de carente...


Depois de fazer arte, hora de ir prá cama com o "maninho"



Aniver da Carla
No sábado passado a Carla (depois que algumas amigas se convidaram rsrsrs) resolveu fazer uma festinha para comemorar o aniver.
Além dos amigos brasileiros também vieram a Alysson (chefa da Carla) e a Nazari (colega dela).


Happy Birthday Carla!!!


quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O Sapo, o Circo e a Saudade

Dizem que se pegarmos um sapo e o colocarmos numa panela de água fervendo ele vai pular fora imediatamente para salvar a pele, mas que se o colocarmos numa panela com água fria, e esquentarmos lentamente, o sapo vai morrer cozido sem se dar conta do que aconteceu.

Se isto é fato ou não, vou deixar para o meio científico atestar, mas é uma analogia que achei interessante para comentar o que acontece com os seres humanos durante suas vidas.

Aos poucos vamos nos acostumando com as coisas que ocorrem ao nosso redor, achando algumas vezes que as coisas estão mudando, mas sem a exata dimensão de onde esta mudança está nos levando.

Muita gente nem se dá conta, e vai levando a vida, um dia depois do outro sem maiores preocupações, e tentando dar um jeitinho de sobreviver na "água fervendo".

Outros conseguem ver que a "água está esquentando" e reclamam, mas são incapazes de "desligar o fogo" e vêem a situação piorar sem ter muito o que fazer.

Alguns outros ainda, inconformados, mudam-se prá Austrália... rsrsrs

Brincadeiras a parte, eu gostaria de comentar um pouco do que sentimos em nosso retorno de férias ao Brasil, após quase dois anos morando aqui na Austrália.

Estávamos curiosos para saber qual seria nossa reação neste reencontro com o país e, apesar de tudo, a gente vai com uma pontinha de esperança de que as coisas tenham mudado prá melhor.

Não sei se é por estar fora algum tempo e desacostumado da rotina no Brasil, ou se é porque algumas coisas "esquentaram" ainda mais por lá. Ou ainda talvez uma mistura das duas coisas, mas o fato é que algumas coisas nos chamaram a atenção, e infelizmente não foi para melhor.

Para quem está acostumado com motoristas que dão sinal até para estacionar no shopping, encarar o trânsito brasileiro novamente foi um grande desafio. Parece que todos no trânsito estão ali para competir pelo espaço e ninguém faz questão de ser gentil ou educado com os outros motoristas. Respeito à sinalização e regras de trânsito então, nem se fala.

Ficamos também impressionados com a quantidade de gente se esbarrando pelas ruas, bem como a quantidade de lojas populares proliferando por todos os lugares por onde passamos.

Na TV as mesmas mazelas sobre corrupção, escândalos e falcatruas (mas ninguém sabe e ninguém viu, e tudo acaba em pizza), e ainda uma onda de reality shows repletos de baixarias e "mulheres-hortifruti" (melão, melancia, moranguinho, pera, samambaia...) suficientes prá fazer uma feira completa.

Ruas e estradas continuam ruins, especialmente em Montenegro, onde comentar sobre isto é sempre tema de piada. Aliás, como tantas outras, mais uma grande piada de mau gosto com o dinheiro do contribuinte brasileiro.

Carros de som, catadores de lixo, cachorros de rua, pedintes. Tudo isto a gente sabe que existe no Brasil, mas ficamos tristes em reencontrar estas coisas novamente.

Mas o brasileiro é um povo cheio de esperanças e a ida às urnas renova as expectativas de um futuro melhor.

Coincidentemente, durante nossa visita tivemos que votar pois ainda não solicitamos a transferência do título de eleitor.

Chegamos uma semana antes da eleição e pegamos um pouco da campanha. Um verdadeiro Circo, em todos os sentidos. As mesmas promessas, os mesmos bate-boca de sempre e a mesma desilusão dos eleitores, tentando encontrar o candidato "menos ruim" para votar.

A grande novidade das eleições deste ano é que realmente conseguiram colocar um palhaço profissional como dono do circo.

Na segunda-feira após a eleição, eu estava no escritório de um amigo e comentávamos sobre o a curiosa, e aparentemente ridícula, eleiçao do Tiririca.
Foi quando uma mulher que estava aguardando no balcão falou: "a gente vota nestes caras que são doutores, cheios de estudo e tudo mais, daí quando são eleitos roubam e não fazem coisa nenhuma. Quem sabe se o Tiririca não vai ser um político melhor".

Pois é, a voz do povo é a voz de Deus, e os eleitores, alguns por protesto, outros para fazer piada, e outros com uma ponta de esperança, transformaram o Tiririca em um fenômeno das urnas.
O caso ficou tão famoso que a notícia foi publicada mundo afora, incluindo jornais aqui em Perth.

Mas independente de tudo isto, nossa viagem ao Brasil foi muito legal.
Apesar do curto espaço de tempo e da "agenda" cheia de compromissos, foi muito bom reencontrar a família, velhos amigos e lugares familiares para matar a saudade.

Nós estávamos lá de férias e sabíamos que as pessoas estariam trabalhando e tinham seus compromissos, mas queremos agradecer a todos os que encontraram - mesmo que por alguns minutos - um tempo para podermos matar a vontade de reencontrar os amigos.

Queríamos muito contar um pouco de como anda nossa vida depois da mudança e compartilhar as coisas legais que encontramos por aqui.

Depois destas nossas férias-maratona, revisitando o Brasil, ficamos mais convencidos de que a opção de migrar para a Austrália foi realmente boa para nós.
Como comentei com amigos, não existe o certo ou errado ao tomar uma decisão como esta. Tudo vai depender dos objetivos de vida de cada um e das expectativas em relação ao que cada pessoa quer para o seu futuro.

Tenho certeza que o Brasil é um país maravilhoso, de uma beleza e diversidade fantásticas, com um povo trabalhador e criativo e recursos naturais para torná-lo um país rico.
Mas isto vai exigir uma mudança cultural do povo brasileiro, e isto não se faz por decreto e não acontece de um dia para o outro. Somente com muito investimento em educação é que vai se mudar este quadro e serão necessárias algumas gerações para que isto aconteça. Mas quando chegar este momento, o Brasil terá potencial para estar entre os primeiros no mundo.

Bom, foram 33 horas para ir, 15 dias no Brasil e 35 horas para voltar.
Pouco tempo no Brasil, mas o suficiante para rever a turma e ficar com aquele gostinho de "quero mais".

Chegamos em casa na terça-feira a tarde - horário da Austrália - e na quarta-feira já voltamos à rotina novamente.

Não sabemos ainda quando será nossa próxima viagem ao Brasil, mas todos os convites que fizemos aos amigos para virem nos visitar estão valendo.

É só avisar que já colocamos mais água no feijão...
:-)

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Na Contagem...

Quase de malas prontas, estamos na contagem regressiva para nossa viagem de férias ao Brasil.

Depois de mais de um ano e meio, estaremos de volta no lugar onde passamos a maior parte de nossas vidas.

Nossa maior curiosidade no momento é de como vamos enxergar a vida no Brasil após este tempo fora.
Sei que vamos encontrar velhos "ranços", muitos deles motivo de nossa decisão de migrar para a Austrália, mas a vida é como pilha: sempre tem o lado positivo, e vai ser muito bom mesmo reencontrar a família e os grandes amigos, isto sim principal motivo de nossa viagem.

Como a nossa passagem pelo Brasil vai ser curta, pouco mais de duas semanas, já temos alguns compromissos agendados e estamos organizando encontros com os amigos. Tudo para tentar matar a saudade e encontrar o maior número de pessoas possível.

Vamos sair daqui na sexta-feira, dia 24, pouco antes da meia noite, e se tudo correr bem após "somente" 36 horas estaremos chegando em Montenegro.
O roteiro é Perth-Joanesburgo-São Paulo-Porto Alegre-Montenegro.
Descontando as 11 horas a mais que temos aqui, chegaremos aí no sábado a noite.

Provavelmente levaremos uns dois ou três dias para acostumar com o horário.


Enquanto isto, aqui em solo Australiano temos ainda algumas coisas para ajeitar antes da viagem. Pagar contas, deixar alguém responsável pela casa etc.

No mais a vida vai seguindo em ritmo normal.
A expectativa agora é do começo da Primavera, quando o clima fica mais agradável para passeios, praia, etc.


Aniver do Gabriel
A duas semanas foi o aniversário do Gabriel.
Ele convidou alguns colegas dele e também alguns da turma do Ricardo.
O Gabriel comentou que a criançada estava ansiosa para poder comer o que eles chamam de "aquelas bolinhas pretas que a tua mãe faz".
E a Carla fez mesmo muitos brigadeiros e também pão de queijo, do qual não sobrou nem cheiro...
Depois do "Happy Birthday" já estava escurescendo e a galera foi toda para o parque que fica bem ao lado de casa para brincar de esconde-esconde.
De vez em quando eles faziam uma pausa e vinham comer e beber mais um pouco.
E assim foi até por volta de 8 da noite quando os pais começaram a recolher os anjos.
Prá não perder o costume, um deles acabou ficando prá dormir.




Ricardo new look
Há algum tempo atrás, após uma consulta no optometrista, perguntamos ao Ricardo se ele tinha interesse em usar lentes de contato.
Depois de pensar um pouco e fazer um monte de perguntas, ele decidiu que gostaria de usá-las.
Marquei a consulta e alguns dias depois retornamos à loja para a consulta (as consultas com o optometrista são feitas nas próprias óticas).
Mais uma novidade que aprendemos: o optometrista só receita as lentes depois que a pessoa aprende como colocar e tirar as lentes corretamente.
Ao chegarmos para a consulta, o cara já tinha 5 pares de lentes na medida que o Ricardo precisa.
Em cada consulta, o optometrista explicava todo o procedimento para usar as lentes.
Num total de quatro consultas foram usados dois pares de lentes e então o Ricardo já conseguia colocar e tirar por conta própria.
O cara então liberou os tres pares restantes para o Ricardo levar prá casa e agendou uma nova consulta uma semana depois, onde o Ricardo deveria estar usando as lentes por mais de 6 horas.
Durante a semana, o Ricardo usou lentes durante dois dias e no sábabo colocou o último par para a consulta final.
Na última consulta o optometrista examinou para ver se estava tudo ok e finalmente então prescreveu as lentes.
Dentro de tres meses o Ricardo deve voltar lá para fazer mais um checkup, e se tudo estiver ok vai ter o uso liberado.

Querem saber o quando eu paguei por tudo isto?
Nada. Como o Ricardo é menor de 16 anos, foi tudo por conta do Medicare (o SUS daqui).
Só paguei pelas lentes que ele encomendamos para ele começar a usar a partir de agora.

Findi
Sábado passado, saímos para almoçar fora e revelar umas fotos que queremos levar junto para o Brasil.
Como as fotos iriam demorar um pouco prá ficar prontas, decidimos voltar prá casa e deixar os guris por lá mesmo.
Mais no final da tarde eu e a Carla voltamos ao shopping para pegar as fotos e tomar nosso tradicional café do fim de semana.

No domingo passado, fomos a exposição de modelismo de Western Australia.
Como vocês podem ver pelas fotos, o evento foi bem movimentado e haviam muitas "crianças grandes" por lá.




Escola
Agora a pouco viemos da escola do Gabriel, onde estava sendo realizado o Parents Night, com a escola aberta para visitação e para apresentação dos trabalhos que as crianças desenvolveram durante o ano.
Saímos de lá orgulhosos com os elogios da profe para com o Gabriel.
Para dar mais alegria ainda, nesta semana ele se saiu muito bem nas provas do Sports Carnival e vai representar a escola em salto em altura, 100m e 300m rasos no campeonato inter escolar mês que vem.

Eleições
Pois nossa amiga Joice acertou e vamos mesmo estar no Brasil no periodo das eleições.
Só de sacanagem vou votar na Dilma, depois venho embora rsrsrs

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Atualizando

Eta nóis...
As últimas semanas foram bem movimentadas (prá variar um pouco rsrsrs) e no final das contas o blog vai ficando prá trás.

Eu estou terminando um curso on-line e a Carla, além do curso de inglês a distância, voltou a fazer aulas de conversação no TAFE.

Nos programamos prá dividir a semana de forma que cada um consiga um tempo qualificado prá estudar, enquanto o outro se diverte com os afazeres domésticos.

Tudo isto porque a gente quer se preparar ainda melhor para enfrentar o mercado de trabalho, pois boas oportunidades não faltam.

Só que quando chega o fim de semana a gente quer mais é sair de casa um pouco e aproveitar as coisas boas por aqui.

Aí no domingo a noite eu lembro do blog e dos nossos fiéis seguidores, mas daí já é tarde prá conseguir inspiração e escrever algo decente.

A vida dos guris também anda agitada.
Eles reiniciaram as aulas de música - o Gabriel na bateria e o Ricardo no teclado - e sempre tem movimentação de amigos por perto.

Além disso, coisas da rotina, ajudar os filhos com tarefas, cuidar da casa, jardinagem, etc.


Coleta de Tralhas
Na semana passada recebemos o aviso da prefeitura de que iria começar a coleta de tralhas no nosso bairro.
Isto acontece uma vez por ano e é o momento em que as pessoas "desovam" todas as tralhas da casa.
A gente que ainda é novato aqui e fica impressionado. Aparece de tudo. Sofás, geladeiras, camas, TVs, computadores, cadeiras, tapetes, fogão, equipamento de ginástica, e por aí vai.

Não tem catadores de lixo (que iam fazer uma festa aqui), mas tem gente que passa nos bairros e vai selecionando algumas coisas que podem interessar. Provavelmente para usar ou reformar e vender nas feiras de pulgas ou briques que acontecem em alguns bairros nos finais de semana.

A gente mesmo no ano passado "catou" algumas coisas, quando ainda não tínhamos muitos móveis e nossa vida ainda não estava bem definida.
Os guris se divertiram muito investigando na vizinhança e neste ano queriam repetir a "coleta seletiva", mas a gente vetou.
Agora já estamos estabelecidos e dá prá comprar coisas novas.. rsrsrs

Com isto em mente resolvemos nos livrar das tralhas do ano passado, incluindo uma mesa e cadeiras (que serviram muito bem para os barbecues), uma cesta de basquete (que os guris usaram algumas vezes e depois deixaram de lado) e uma poltrona (que só serviu para ir de um lado pro outro dentro de casa).

Ainda conservamos um sofá de couro, que até hoje não entendemos porque foi jogado fora.

O povo aproveita prá dar uma geral na casa e comprar coisas novas.
É mais uma coisa que ajuda a girar a economia, e afinal de contas, quem não gosta de comprar coisas novas?!?

Dentro deste espírito, nossa tarefa agora é comprar uma mesa nova para o "alfresco", que é como se chama a área de lazer coberta onde se fazem os BBQs.
Já vamos comprar uma bem grande, que é para caber todos os amigos.



Agora, com o inverno passando e o clima melhorando a gente volta a ter mais vontade de fazer programas "outdoor".

Ontem mesmo, fomos até a sempre agradável Fremantle para o almoço.

No início da tarde nos encontramos lá mesmo com o Caio, a Ju e o Thomas, e em seguida chegaram o Antonio e a Nara.
O ponto de encontro para o bate-papo e um café foi o já tradicional San Churros.


TV Digital
Um dos assuntos de nossa conversa de ontem, foi dar umas dicas sobre TV digital para o Caio, que ainda conserva uma tevezona analógica, 29 polegadas de tubo.
Parece que só ele e um casal de velhinhos que moram na Tasmania ainda tem destas...rsrsrs
O fato é que a TV analógica vai ser desativada na Austrália a partir do ano que vem.
Além disso, as redes de TV estão lançando novos canais mas somente em formato digital.
O mais novo canal é o SevenMate, destinado obviamente ao público masculino.
Atualmente já temos 14 canais diferentes na TV aberta, onde a gente encontra programação direcionada para crianças, notícias, esportes, seriados, etc.
Por causa disto ainda não estou pensando em fazer TV por assinatura.


Eleições
Estes dias comentei sobre as eleições por aqui.
Pois é, ainda não se sabe quem vai governar pois não depende somente da votação para primeiro ministro. O partido que vai governar precisa de maioria no parlamento.
É como se para governar no Brasil um partido precisasse eleger mais de 50% dos deputados federais.
E a situação esta no impasse, quase empatado mas nem o Labour nem o Liberal tem a maioria das cadeiras.
O negócio agora depende de alguns candidatos independentes, que estão sendo tratados como reis pelos dois partidos, prá decidir prá que lado vão.



Bom, este é o resumo do que vem acontecendo nas últimas semanas.

Agora a gente vai começar a se preparar para a viagem ao Brasil.
Em menos de quatro semanas iremos visitar o país depois de mais de um ano e meio fora.



Indo para Fremantle encontramos Ferrari...

... Masserati...

... e um Austin 40 bem faceiro em meio ao trânsito.



domingo, 22 de agosto de 2010

Viva Perth !!!

Até a semana passada, a única vez que estive em Sydney foi quando chegamos na Austrália em Janeiro do ano passado.
Por cerca de duas horas estivemos dentro do aeroporto da maior cidade australiana.
Em resumo, fora a "vista aérea", não vimos nada de Sydney.

Isto até no domingo passado, quando fui a trabalho para Sydney pela primeira vez.
Cheguei lá por volta de 9 da noite e no caminho do aeroporto até o hotel tenho que confessar que a cidade não me atraiu.
Tudo muito organizado e limpo, mas as avenidas largas repletas de prédios por todo o lugar me lembraram muito do tempo em que eu ia a São Paulo e passava pela 23 de Maio.
Além disso, muito trânsito para o meu gosto.

Certamente muita gente mora lá e gosta da cidade. Talvez bom para jovens, com muitas opções e tudo mais, mas não é o nosso caso e nem o que viemos buscar com nossa mudança prá Austrália.

Acho que fizemos a escolha certa. Aqui em Perth tudo é muito mais tranquilo, como já comentei em posts anteriores, e esta tranquilidade faz muito bem prá gente.


Eleições na Austrália
Como já havia comentado, ontem aconteceram aqui as eleições para o novo governo.
A cidade estava funcionando normalmente, com lojas abertas e o movimento normal de sábados.
Apesar da votação para Primeiro Ministro, o partido que vai governar depende do número de cadeiras ocupadas no Parlamento.
A votação foi muito apertada e com isto agora é preciso esperar a decisão de alguns parlamentares independentes, que irão escolher para qual lado vão.
O discurso dos dois candidatos a Primeiro Ministro é o de "já ganhou", mas só um deles vai levar e agora eles tem que convencer os indecisos.
Vai ser preciso esperar mais alguns dias para saber o resultado.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Achados!

Neste final de semana a Carla e eu saímos para dar uma volta despretensiosa no centro de Perth.
Os guris ficaram em casa, pois não tem mais paciência para acompanhar nossos programas. Ficaram com a opção de esquentar uma lasanha ou sair para pegar algo para o almoço.

No centro de Perth caminhamos um pouco, almoçamos e decidimos ir até Fremantle, procurar algo nas lojas de souvenirs para levar ao Brasil. Depois fomos tomar um café.

Andando por lá e entrando em lugares que nunca tínhamos ido antes, acabamos por fazer novas descobertas.
Em uma lojinha do Fremantle Market encontramos Fanta Uva e em um pequeno shopping ali perto achamos um açougue que vende coração de frango, e ainda por cima bem barato. Pronto tínhamos ganho o dia e no domingo o tradicional churrasco já incluiu coraçãozinho assado para o aperitivo.


O Cliente Nem Sempre tem Razão
Lembro que ainda no Brasil volta e meia se dicutia sobre o fato de colocar o cliente acima de tudo nos negócios, com algumas correntes contestando esta idéia de vez em quando.
Claro que a gente sabe que é importante deixar o cliente feliz e pensar nele em primeiro lugar, principalmente quando a concorrência é grande e o dinheiro é curto.

Mas aqui a coisa não é bem assim.
Tudo bem, o cliente é importante mas isto não quer dizer que as pessoas que atendem em lojas ou serviços façam dele o "Rei".

Eu nunca fui mal atendido, mas o atendimento não é o mesmo que estávamos acostumados no Brasil.
Vai depender da loja, do tipo de negócio e principalmente da pessoa que atende.

Em bancos e revendas de automóveis, por exemplo, o atendimento é excelente.
Em lojas é mais ou menos, e vai depender do atendente.
Em postos de gasolina, fast-foods e grandes lojas de departamentos o atendimento é só o essencial para que o cliente faça suas compras e vá embora sem maiores problemas.

Ah, depende do horário também.
Eu queria cortar o cabelo na semana passada e cheguei por volta de 16:35 (eles fecham as 17:00). E era sexta-feira. Só eu mesmo para fazer uma destas...
O cara educadamente pediu desculpas mas disse que não poderia me atender pois recém tinha começado a cortar o de um outro cliente e não daria tempo até a hora de fechar.
E isto que eles cobram 25 dólares por um corte.

Na minha opinião esta é uma das grandes diferenças aqui.
O trabalhador faz aquilo o que é necessário durante o expediente. Ninguém se mata fazendo hora-extra. Alguns minutos antes de fechar, o povo já começa a baixar as portas.

Agora se eles estão certos ou errados em fazer isto já é outra questão.
O negócio é a gente se acostumar e entrar no esquema.
A lado bom disto é o de ter menos stress e aproveitar mais a vida.
E este é o lema do australiano.


Do-It-Yourself
De um lado se tem bens de consumo com preços muito acessíveis e de outro os valores de serviço e mão-de-obra sempre altos.

Mesmo assim os prestadores de serviço sempre tem as agendas cheias e conseguem viver muito bem fazendo o que fazem.
Aqui também entra a teoria do Aussie de aproveitar o tempo livre que tem, então para fazer um serviço muitas vezes simples, prefere contratar alguém, mesmo pagando caro por isso.
Tem prestador de serviço prá tudo: desde o encanador, até o jardineiro, passando pelo limpador de forno (é isto mesmo, se o seu forno está um nojo é só chamar os caras que eles limpam).

Mas considerando o valor dos serviços, muita gente opta pelo "faça você mesmo" e o mercado para este tipo de "hobby" é muito grande.
As lojas tipo Bunnings ou Mitre10 tem de tudo o que o *bloke australiano precisa para fazer as coisas por conta própria. (*bloke = cara ou camarada)

É só ter algumas habilidades básicas, um pouco de tempo livre e vontade de aprender que consegue se resolver muita coisa e economizar bastante.

Um exemplo: as torneiras da área de serviço aqui em casa estavam pingando. Bastante. A ponto de encher a paciência.
Chamar um encanador iria custar por baixo uns 150 dólares. Considerando que deveria ser um serviço fácil de fazer é o tipo de coisa que dói no bolso.

No Brasil eu faria o conserto sem pensar duas vezes, mas aqui a gente tem que aprender primeiro como as coisas funcionam. Depois de algum estudo descobri que as torneiras daqui seguem o mesmo padrão e que na Bunnings tem vários kits para conserto de torneiras.
No final das contas gastei 3 dólares com o kit de reparo, mais 10 com uma chave de canos e uns 20 minutos para fazer o reparo.

Outro exemplo: já que comentei sobre o corte de cabelo, depois que o cara me "dispensou" resolvi entrar para o Do-It-Yourself no corte de cabelo também.
No Brasil estava acostumado a pagar 10 pilas prá cortar o cabelo no Totonho, meu barbeiro oficial por décadas. É eu não vou em cabeleireiro, vou no barbeiro mesmo e o Totonho é daqueles tradicionais, só fala de futebol e mulher, e tem um rádio velho que só pega AM sintonizado na gaúcha... eh eh eh

Bueno, olhei alguns vídeos no Youtube sobre dicas de como cortar o cabelo, então resolvi encarar e procurar uma daquelas máquinas. Comprei uma da Remington, semi-profissional, com vários tamanhos de pentes, que custou a bagatela de 24 dólares.
Criei coragem, passei as dicas básicas prá Carla, assumi o lugar na cadeira e ela começou o serviço. Vai daqui, vai de lá e aos pouquinhos a coisa foi tomando forma. Fiquei bem apresentável.
No embalo já chamei os guris que também entraram na onda do corte de cabelo em casa. Ainda prá encerrar cortei as pontas do cabelo da Carla.
No final das contas uma economia de no mínimo 100 dólares e agora temos a "tecnologia" para fazer nas próximas vezes.



De pijamas e cabelos cortados, esperando pela janta...



Fiquei devendo da última vez uma foto do Gabriel na apresentação da escola.
Vai para as avós, tias, dindas e outras fãs...




Esta nossa foto no San Churros vai em homenagem a nossa amiga Ana,
grávida e cheia de desejos de comer alguma coisa com muitas calorias eh eh eh


sábado, 31 de julho de 2010

Atividades da Sexta-feira

Queria escrever logo sobre isto prá não perder o timing.

Ontem no início da manhã fui até a escola do Gabriel para assistir a "assembly" que era responsabilidade da turma dele.
É algo parecido com a "hora cívica" que se fazia na escola deles no Brasil.

Estava bem frio, mas além das crianças da escola haviam muitos pais comparecendo.

Em um pavilhão coberto da escola, a turma responsável apresenta uma pequena peça de teatro, o diretor passa alguns recados, canta-se o hino nacional e o hino da escola e por aí vai.

Coisas que chamam a atenção:
Quando o Diretor da escola pega o microfone, até as moscas pousam prá não fazer barulho. E olha que tem crianças desde o jardim de infância até o ano 7.
No momento em que ele diz "Good morning children" ouve-se todos em coro ensaiado respondendo "Goood mooorniiing Mister ...". E isto se repete prá cada professor que vai dar algum recado para as crianças.

Um dos professores anuncia que os alunos que tiverem bom comportamento e bom desempenho em classe irão ter horas extras de "recreio" para poder jogar bola e brincar. Os que não forem bem, ficam em classe para melhorar o desempenho.

Em determinado momento uma das alunas anuncia que é hora de cantar o hino. Todos levantaram e algumas crianças fazem algum barulho. Muito pouco, mas o suficiente para o Diretor se pronunciar ao microfone, pedir para as crianças todas sentarem novamente e que ao levantar não façam bagunça. Solicita então para todos novamente ficarem em pé para a execução do hino. E como era de se esperar, todos de pé e nem um "piu".

Após o hino começa uma pequena cerimônia para entrega dos certificados de mérito. Dois alunos de cada classe são chamados de cada vez e vão ficando perfilados na frente de todos para receberem aplausos no final.
Ainda, um dos professores dá os resultados da disputa entre classes e são distribuídos troféus para os vencedores. Aos perdedores é passada a mensagem de que não podem desistir e tem que trabalhar duro para virar o jogo e ganhar na próxima vez.

São coisas que podem parecer sem muito efeito a primeira vista, mas dão as crianças algumas noções básicas de respeito, cidadania, valorização e competitividade.


Mamma Mia!
Desde que começaram a anunciar a peça musical Mamma Mia, a Carla demonstrou a vontade de ir assistir, então na semana passada comprei os ingressos para comemorar nosso aniversário de 22 anos de namoro.
Pois é, já se passaram 22 anos desde aquela noite no Clube do Comércio... mas isto é história prá outra hora...

Ontem a noite eu e a Carla fomos em Burswood assistir ao musical, baseada nas músicas do ABBA e com roteiro semelhante ao do filme.
O Burswood é um complexo de entretenimento que conta com hotel 5 estrelas, cassino, centro de convenções, teatro, campos de golfe, ginásio para eventos, spa, entre outras amenidades básicas...

Apesar da peça estar em cartaz já há alguns meses, o teatro de 2300 lugares estava lotado, com público literalmente dos 8 aos 80 anos.

A peça foi muito bacana e a cada vez que as atrizes faziam alguns passos de dança ensaiados a lá Anos 80 a Carla lembrava das amigas de Montenegro: "Parece eu, a Bel e a Pati!" dizia bem faceirinha. rsrsrs
Confesso que teatro e musicais não fazem o meu estilo, mas neste caso valeu a pena mesmo ter ido assistir e as duas horas e meia em que ficamos lá passaram desapercebidas.

Na saída, quase 11 da noite, resolvemos dar um "rolé" e bisbilhotar o cassino.
Muita gente "chique e vitaminada", desfilando roupas de noite, enquanto outras pessoas estavam bem estilo casual mesmo.
Em frente ao Hotel e o Cassino alguns exemplos de pobreza sobre rodas, como Masserati, Lexus, Range Rover, Lamborghini, HSV R8, entre outros.

O cassino é enorme, com incontáveis máquinas caça-níquel e mesas de apostas. Além disso estava lotado de gente, e como sempre o povo se afundando de tanto jogar.
Com todas aquelas maquininhas foi impossível deixar de lembrar da minha querida Sogrinha e também da Tia Dalva, parceiras de bingo lá em Montenegro.

Depois da nossa ronda pelo cassino resolvemos voltar prá casa onde chegamos uns 15 minutos depois.

O fato de ter muitas opções de lazer próximas de casa é uma das coisas boas de morar numa cidade grande.
Os ingressos para o shom do Bon Jovi já estão comprados e já estamos de olho para ir ver o U2 também.


Vista aéra de Burswood


Fachada do Hotel e Cassino

terça-feira, 27 de julho de 2010

Ecologicamente falando

É normal que quanto mais se ganha, mais se gasta.

Uma pessoa que ganha muito dinheiro vai começar a comprar mais coisas do que realmente precisa.
Vai ter uma casa com muito espaço sobrando, vai se dar ao luxo de comprar carros mais potentes e gastadores, e assim por diante.
É uma tendência natural do ser humano de sempre querer mais e aquilo que antes parecia superfluo acaba virando necessidade.

Costumo dizer que a gente se acostuma fácil com mordomias... o difícil é se tiver que abrir mão delas.

E assim como as pessoas, o mesmo acontece com um país inteiro.
Quanto mais próspera a economia, mais o povo vai gastar.

Toda esta introdução foi para comentar de uma reportagem que li há alguns dias atrás sobre uma pesquisa que listou os países que menos se preocupam com o meio ambiente no mundo.
Não sei se foi divulgado no Brasil, mas nesta pesquisa a Austrália aparecia em oitavo lugar.
Em segundo lugar estavam os Estados Unidos e em primeiro lugar, pasmem, o Brasil.
A explicação para ter o Brasil em primeiro lugar é devido a falta de preocupação que o país tem com a Amazônia (sempre ela...).

Não faço o tipo ecológico e sou até contra alguns "eco-chatos" que andam por aí, cheios de dircurso e com pouca ação, mas concordo que o Brasil poderia fazer mais pelo meio-ambiente.
Agora, dizer que o Brasil é menos preocupado do que os Estados Unidos (e até mesmo a Austrália) aí já é demais.

Estando aqui a gente vê o quanto este povo gasta, sem se preocupar "ecologicamente" com as coisas.

A idéia deles de ser ecológico é instalar em casa um sistema de aquecimento solar ou painéis solares para gerar energia e comprar eletrodomésticos cada vez mais modernos e com mais "estrelas" de economia de energia.

Claro que isto ajuda, mas no dia a dia a coisa é diferente.
A quantidade de lixo que se gera é muito maior do que no Brasil. Tudo vem numa embalagem, saquinho, caixinha e por aí vai. Isto além do desperdício.
Sabem aquelas folhas impressas de um lado que se guarda para usar o outro lado ou como rascunho? O único cara que vi fazendo isto até hoje foi um indiano, e foi incrível ver a cara de surpresa dos ozzie como quem diz: "prá que fazer isto se tem folhas novas disponíveis?".
Se eles precisam imprimir uma etiqueta, pegam uma folha inteira, imprimem uma e jogam o resto fora. Se precisar mais uma outra hora, fazem a mesma coisa outra vez.

Óbvio que não estou aqui para julgar o que está certo ou errado, mas sim para dar uma idéia de como os costumes são diferentes.
E claro que o povo acostuma com todas estas mordomias.

Vou aproveitar e comentar de um assunto que está rolando na TV desde a semana passada.
Com a onda de frio que bateu aqui, a mídia vem bombardeando os políticos (é época de eleições) com os casos de idosos aposentados que não podem arcar com as contas de gás e energia nestes meses de inverno, e precisam desligar os aquecedores durante a noite.
É isto mesmo, a bronca é porque não podem dormir com os aquecedores ligados a noite toda.
E olha que o frio aqui não é tanto como no sul do Brasil por exemplo.

São diferenças culturais e coisas que a gente vai entendendo no dia a dia vivendo aqui e que nem seriam comentadas no Brasil.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Eleições

O esquema de governo aqui no país é diferente do Brasil.
A Austrália é uma federação e uma monarquia constitucional. Existe um vínculo ainda hoje com a Inglaterra e a Rainha Elizabeth II é uma das chefes do executivo do país.

A nível nacional, as eleições são realizadas a cada 3 anos, onde são preenchidas as vagas para o Parlamento. Também existe votação a nível estadual em períodos diferentes.
Existem ainda uma série de particularidades que eu não vou entrar em detalhes, até porque ainda não entendo muito bem como funcionam.
Mas uma curiosidade interessante é que o Primeiro Ministro pode "chamar" as eleições no momento em que achar necessário.

Em termos de partidos políticos existem vários, mas dá para dizer que dois deles são realmente significativos: Australian Labour Party e Liberal Party of Australia.
O partido atualmente no comando é o Labour (ou partido do trabalho), porém há algumas semanas atrás, o primeiro ministro da Austrália, Mr. Kevin Rudd, foi afastado do cargo pelo partido e substituído pela Ms. Julia Gillard, que tornou-se a primeira mulher a comandar o país.
Isso aconteceu porque as políticas e posturas do Mr.Rudd estavam abalando a intenção de voto dos eleitores e antes de chegar mais próximo das eleições o próprio partido deu um chega prá lá nele.

As maiores broncas em relação ao Rudd eram a pouca ação para conter barcos de imigrantes clandestinos, uma nova política para super-taxação do setor de mineração e a visão da "Big Australia" incentivando cada vez mais a entrada de gente através do processo de imigração.
A Julia Gillard entrou firme com o discurso para resolver todos estes problemas. Já largou falando em fazer um centro para refugiados fora do país e desta forma evitar que os clandestinos queiram se aventurar vindo para cá. Aliviou a pressão sobre taxas na mineração e disse que não quer uma "Big Australia" lotada de gente e sim um país sustentável ao longo dos anos.

Com isto, a popularidade do Labour Party, que vinha despencando, deu uma segurada.

Neste final de semana, a primeira ministra anunciou a "chamada" para as eleições, que serão realizadas em 21 de Agosto.
É isto mesmo, a campanha começa agora e vai durar pouco mais de um mês.
Apesar das notícias na TV comentarem muito sobre o assunto, felizmente ainda não apareceu nada como a "propaganda política obrigatória".

A campanha pelo jeito é muito parecida com o que vimos no Brasil.
Beijar criançinhas, cumprimentar velhinhos, abanar para o povo e obviamente fazer promessas de campanha.
As pesquisas (também tem aqui) apontam algo do tipo 52% para o Labour e 48% para o Liberal, e ambos os candidatos reconhecem que a disputa será difícil.

Conforme a campanha pré-eleições for avançando eu vou passando uma idéia de como é.



Notícias do fim de semana

No sábado passado após o almoço, eu e a Carla resolvemos ir até Nothbridge para comprar algumas coisas no Kakulas Bros, onde se consegue achar produtos brasileiros além de coisas do mundo todo.
Chegando lá perto, haviam viaturas e guardas desviando o trânsito por toda a volta da estação do metrô, que fica colada ao centro de Perth.
Tivemos que fazer uma volta para chegar onde queríamos. Após estacionar o carro, fomos caminhando em direção a Northbridge e ainda comentamos de toda aquela movimentação da polícia e um monte de gente olhando.
Ficamos imaginando que poderia ser algum evento - coisa comum de ser realizada naquela região - ou ainda algum acidente, coisa que de maneira nenhuma nos interessava.
Comentamos que certamente iríamos ficar sabendo do que se tratava na hora do "Seven News" (que passa na TV as seis horas, mas no canal Seven...).

Fomos até o Kakulas, compramos mistura de pão de queijo e farofa da Yoki e em seguida (seguindo recomendação da Giovana) uma passada rápida para conhecer o museu de Perth e a biblioteca, onde paramos para tomar um café.
Aliás o museu vai merecer uma outra visita com mais tempo para ver tudo.

Depois do café ainda caminhamos um pouco ali por aquelas bandas aproveitando o tempo bom do final da tarde de sábado.

Chegando em casa, relaxamos para tomar um chimarrão e assistir o jornal.
Foi aí que ficamos sabendo o motivo da confusão no centro de Perth. Um doido estava caminhando sobre um outdoor, bem ali no centro, gritando, pelado e armado. Esclarecendo: armado no sentido literal da palavra... A polícia precisou de quatro horas para tirar o cara de lá. Tinha até atiradores de elite prontos para "abater" o sujeito caso ele resolvesse usar a arma (que mais tarde foi confirmada como sendo uma réplica).

Mas o problema maior da polícia foi conter uma galera que estava na volta gritando "Pula! Pula!".
Só pararam quando o comandante usou o megafone para dizer que eles iriam presos caso não calassem a boca.

No final das contas levaram o cara para o hospital, que foi identificado como drogado e com problemas mentais.

Rendeu três dias nos noticiários...





Vista de ruas em Northbridge


Garota propaganda do quiosque de produtos brasileiros no Kakulas


Vista parcial do museu de Western Australia


Galeria de Artes de WA

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Ainda Frio

Ainda frio aqui por estas bandas. Hoje pela manhã novamente encontramos o gramado coberto de geada.
O frio intenso deve durar mais um ou dois dias e em seguida a previsão é de chuva.
Acredito que a chuva deva ser no mesmo estilo que foi no ano passado. Umas duas semanas de "chove, para, chove outra vez".
Mas é bom ter um pouco de chuva pois durante o verão elas são bem mais raras.

A geada no gramado as 8 da manhã


Compras e Mais Compras
No meio do ano passado já tínhamos visto um pouco desta mania do Australiano, mas agora a gente começa a entender melhor o esquema.
Pelo menos duas vezes por semana a gente encontra a caixa do correio repleta de panfletos e catálogos de lojas.
Nesta época do ano, a quantidade e "espessura" dos catálogos aumenta bastante e existem duas explicações para isto: é época de férias escolares e também tempo de começar as compras para o Natal. É isto mesmo, Natal.
Acontece que aqui não tem décimo terceiro salário, e como as famílias são grandes o povo já encomenda agora os presentes (principalmente brinquedos) e vai pagando em parcelas. Em Dezembro retiram as mercadorias nas lojas. Eles chamam isto de "Layby".
Algumas lojas já mandaram o catálogo com as ofertas que vão estar em promoção no mês que vem. Tudo para não perder o freguês.

Estes são os catálogos que chegaram esta semana


Jeito Ozzie de Ser
Eu costumo dizer que a gente se acostuma fácil com mordomias e facilidades, e uma das coisas que a gente acaba acostumando fácil aqui é com o jeito despreocupado do povo australiano.
Conforme meu amigo Marcelo Vollbrecht, de Melbourne, o australiano é um baiano que fala inglês e tem dinheiro para gastar.
O Ozzie é um "bon vivant" e gosta de aproveitar a vida e trabalha para viver, ao invés de viver para trabalhar.
Este jeito despreocupado as vezes até parece atrapalhar um pouco.
No trabalho por exemplo, muitas vezes a gente está a "mil" em alguma tarefa e esbarra em algum Ozzie que não tem toda a vontade e o pique que o brasileiro tem.
Existem duas opções: ficar estressado - o que não leva a nada, ou deixar a coisa correr mais tranquila.
No final das contas a gente descobre que é possível fazer as coisas com menos stress.
De qualquer forma, na minha opinião, isto representa uma vantagem para os profissionais brasileiros, pois somos muito mais ágeis a comprometidos com o trabalho, mesmo quando fazemos as coisas com mais tranquilidade.

O jeitão Ozzie de ser também se mostra nas ruas, onde ninguém se importa com que tipo de roupa está vestido.
Já cheguei a comentar que nos shoppings é comum ver de tudo, desde as "sheilas" bem ajeitadinhas, até o "bloke" de pé no chão.
Nisso também a gente vai acostumando com o tempo, e a preocupação em estar com uma roupa mais ajeitada para poder sair de casa vai sumindo aos poucos.
Estes dias fui falar com meu vizinho, na frente de casa, de roupão, calça de pijama xadrez e pantufa do Homer Simpson.
Cabe dizer que ele também tinha saído da cama a pouco e estava com roupas compatíveis com as minhas... rsrsrs

De jeito algum eu pensaria em fazer isto quando morava no Brasil. Afinal de contas, o que os vizinhos iam pensar?

Alguns exageram e vão até o supermercado de roupão e pijama, mas ninguém fica reparando.
Eu ainda não estou neste nível. Pelo menos ainda não. Talvez precise mais alguns anos de Austrália...

Em estilo ozzie, Eu e o "Homer" olhando
os guris jogarem videogame



Contagem Regressiva
Inclui no blog a contagem regressiva para nossa viagem de férias ao Brasil.
Desta forma os amigos já podem ir se preparando e comprando a picanha e a cerveja eh eh eh

Adendo
Eu gostaria de fazer um adendo ao texto do tópico anterior:
comentei que nossa amiga Giovana estava levando Ximia para o Brasil. Para aqueles que não sabiam, a ximia ou chimia é uma derivação da palavra alemã schimier, comumente usada no Sul do Brasil, e é a mesma coisa que geléia.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Temos Vagas

O quarto de hóspedes está liberado.
Ontem a Giovana e o Edu foram embora. Saíram daqui as 22:30, num vôo de 36 horas, rumo ao Brasil.
Fomos com eles até o aeroporto e tudo correu tranquilo. Ou quase...
Tivemos que realizar uma "tarefa de gincana" para aliviar 1,5 Kg de uma mala que passou do limite.
Mas nada grave. Só ficaram prá trás dois vidros de ximia que a Gê estava contrabandeando para o Brasil.
Outras coisas importantes - como uma amostra de cerveja para meu amigo João Ricardo - seguiram sem problemas.

O ano tem sido movimentado para a gente em termos de visitas.
Agora vamos ver quem serao os próximos... :-)


Agora Esfriou
No final da semana passada iniciou uma onda de frio aqui em Perth.
Na sexta-feira pela manhã, no caminho para o trabalho, era possível ver os gramados brancos de geada.
Segundo o pessoal da meteorologia, a temperatura de -1 grau durante a noite, foi um recorde mos últimos 30 anos.
Durante toda a semana o frio persistiu, mas pelo menos o tempo está ensolarado e com céu azul.
Outra coisa que ameniza o frio é o fato de que a umidade é baixa.
Lembro do inverno em nossa região no Brasil, onde as paredes "suavam" de tanta umidade e as vezes era preciso secar o chão de tanta água que havia.
Aqui a umidade só aparece nas paredes do banheiro depois de um banho quente. E não dura muito tempo.

Eu não sou fã de clima frio e sofro um pouco nesta época, mas é interessante ver como os Ozzies enfrentam as baixas temperaturas.
É comum ver o pessoal só de bermuda, camiseta e chinelos - ou ainda alguns mais "selvagens" até de pés descalços.
Fico apavorado em ver as crianças indo prá escola as 8 da manhã, de bermuda e camiseta, com temperatura na faixa de 5 graus.

Mas em dias como estes se vê de tudo: desde o cara do pé-no-chão até gente entrouxada e de cachecol (provavelmente alguém vindo de alguma região de clima quente).


Mais de Sotaques
Lembram que eu comentei algum tempo atrás sobre a mania dos Australianas de mudar o som de algumas palavras para ficarem com som de "a" no final?
Pois a brincadeira é levada a sério até pelo pessoal de marketing das empresas.
Aí vão alguns exemplos:

O "Flavour" - de sabor - virou "Flayva"
(confesso que demorei um pouco até cair a ficha nesta).

Aqui o "Better" virou "Betta".




Rumos aos 500
O blog atingiu nesta semana o número impressionante de 50 seguidores.
Sei que existem outras pessoas que nos acompanham e não estão cadastradas - talvez centenas delas...
Agora vamos lançar uma campanha para ampliar os seguidores e o de número 500 vai ganhar de brinde uma pizza da Eagle Boys (que é "bigga" e "betta").

Obs.: O prêmio deverá ser retirado aqui em casa :-)

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Ainda Aprendendo

Volta e meia ainda nos deparamos com situações novas e temos que reaprender a fazer as coisas.
A mais recente delas foi a necessidade da Carla e do Ricardo de procurar um oculista.
No Brasil seria fácil: vai ao oculista/oftalmologista, ele receita óculos, a gente vai na ótica e manda fazer. Resolvido.

Aqui tive que pedir umas dicas a uma colega do trabalho e dei uma pesquisada na internet. Descobri que o esquema é diferente.
A gente marca hora e vai na própria ótica, onde a consulta é feita por um optometrista e na mesma hora já se escolhe a armação dos óculos se for o caso.
A consulta é feita através do Medicare. Já a armação e lentes são pagas pelo plano de saúde privado, integral ou parcial dependendo do preço dos óculos escolhido.
E eles avisam por SMS quando os óculos estão disponíveis para buscar.
Tudo bem prático e rápido para resolver.

Programação do Findi
No sábado fomos até Northbridge, bairro próximo ao centro da cidade, que é famoso pelos restaurantes e pubs. É lá também que acontece a noite em Perth.
Parei o carro, paguei o estacionamento na maquininha, coloquei o comprovante no carro e saímos para dar uma volta.

O lugar é muito bacana e bem ajeitado. As opções de gastronomia são inúmeras.
Fomos em direção ao Hogs Breath Café, uma rede de pub/restaurante dos mais conhecidos na Austrália.

No caminho nos deparamos com um enorme telão em uma área gramada, transmitindo jogos da copa. No gramado várias pessoas assisitindo o jogo.

Chegamos ao restaurante e fomos logo atendidos por uma moça muito falante, não muito difícil de entender, mas com discurso decorado e as vezes rápido demais, tínhamos que pedir para ela repetir.
O lugar é bem estiloso, com uma decoração propositalmente feita para lembrar um galpão, cheio de tralhas e objetos antigos para ajudar a fazer a ambientação.

A comida é muito boa e idem para as sobremesas.
O preço não é dos mais baratos, mas é bom a gente "se" tratar bem de vez em quando.

Saindo dali fomos até o Harbour Town para procurar umas chuteiras novas para o Ricardo.
Andamos de loja em loja, mas nada de encontrar algo do agrado do rapaz e com preço compatível com o orçamento.
A estas alturas a paciência dos guris - que queriam voltar prá casa - já estava terminando. Junto com a nossa em aturar os resmungos deles.
Hora de ir prá casa, tomar um bom chimarrão e carregar as baterias para o domingo.

Domingão de Sol, Festa e Guaraná
Fomos até o tradicional Railway Market em Gosnells para mostrar o lugar para nossos visitantes.
Almoçamos por lá mesmo e depois o Edu resolveu encarar uma pintura de rosto, muito comum em tudo quanto é lugar aqui.
A criançada se diverte com isto. Interessante notar que algumas crianças maiores também se prestam a pintar a cara, coisa que no Brasil elas não iriam mais se sujeitar.
Depois da transformação do "Batman", fomos até South Fremantle numa - acredite se quiser - Festa Junina, que foi realizada no Clube Português de Western Australia (que nós nem sabíamos que existia).
A festa estava rolando solta e foi realmente muuuiiito estranho chegar num lugar e escutar as pessoas falando em português.
Como era de se esperar, a grande maioria do público era de gente jovem, muitos estudantes e alguns casais novos, na faixa dos 25 a 30 anos, com bebês novinhos também.
Prá mim o ponto máximo da festa foi encontrar Guaraná Antartica sendo vendido. Por módicos 3 dolares a lata dava prá matar a saudade.
Na barraca que vendia o guaraná havia um casal. Ele brasileiro, ela australiana.
Ao ser perguntado pela Giovana onde conseguia o guaraná, ele respondeu que o pai viajava muito e ele tinha um estoque em casa.
Explicação meio esfarrapada, ainda mais depois que vi que o guaraná acabava e alguns minutos depois chegava mais.
Para desvendar este mistério, começamos uma "gincana" para descobrir de onde vinha o tal refrigerante. O Caio conhecia um cara que havia ouvido falar em algum lugar que tinha guaraná.
Depois de alguma pesquisa, descobrimos que o possível lugar era um Super IGA bem próximo de onde estávamos. Um outro cara pegou o celular e pesquisou o endereço.
Quando fomos embora, coloquei o endereço no GPS e fui até lá. Era realmente bem próximo e para nossa alegria tinha mesmo uma prateleira cheia de latas de guaraná antartica a 1,59 dolares.
Comprei uma dúzia e fomos prá casa.
Os guris adoraram a surpresa de poder tomar guaraná com pães de queijo que a Carla tinha levado.

Mais uma lição aprendida e aos poucos a gente ainda vai aprendendo mais coisas novas.
E muito bom poder encontrar lugares para comprar coisas e matar a saudade do "gosto" do Brasil.




video

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Vuvuzelas!

Já que está todo mundo comentando sobre a tal da vuvuzela, eu decidi também entrar nesta.

Prá começar a conversa, vamos combinar, que coisinha chata mesmo.
Eu lembro quando ainda estávamos no Brasil, na época da Copa anterior, e a "dinda" Deise chegou com algumas destas cornetas de presente para os guris.
Naquele tempo a gente nem sabia que aquilo iria virar algo tão famoso.
Era um tormento quando as crianças pegavam aquele treco e começavam a tocar...

E agora então ficamos sabendo que a tal "corneta" é mais comum ainda na Africa do Sul.

Não sei como foi a repercussão aí no Brasil, mas para o povo daqui (e acredito que para outras partes do mundo também), que não está acostumado com toda esta zoeira, as vuvuzelas são vistas como coisa do demo.
Já viraram reportagem de TV, comentando inclusive que técnicos que avaliaram o som produzido por elas no estádio de futebol é comparável ao de uma turbina a jato.
Não sei se é um pouco exagerado mas também não duvido, pois o som é mesmo impressionante mesmo na transmissão da TV.
Aliás em alguns lugares é possível encontrar dicas de como regular o equalizador da TV para diminuir o ruído, e estão vendendo downloads de MP3 para celular e players que prometem abafar o som das vuvuzelas.

Mas como disse o ministro do turismo da África do Sul, "a vuvuzela faz parte da forma como o povo sul africano comemora, então acostumem-se pois vocês estão na África do Sul". eh eh eh


Chuva e Findi

No mais vamos nos preparando para o final de semana, que deve ser ensolarado depois de uma semana em que tivemos chuva e alguns dias nublados.
Mas sabe como é, a chuva aqui é naquele estilo que já comentei: chove um pouquinho, para um pouquinho... e assim vai durante todo o dia.
De qualquer forma um pouco de chuva é sempre bom e o pessoal comemora quando acontece.

Aqui os jardins são regados com "sprinklers", geralmente acionados automaticamente, duas vezes por semana, em rodízios estabelecidos pela compania de água e que variam conforme a numeração da casa.
Durante esta época do ano os sprinklers são proibidos, mas ainda é possível molhar o gramado à mão usando mangueira.

Os proprietários anteriores da casa eram beeeemm despreocupados com o jardim e desde que nos mudamos estou tentando dar uma reavivada no gramado, que estava literalmente "torrado".

Reformei todo o sistema de sprinklers e comecei a molhar regularmente. Também plantei grama em lugares que estavam sem nada e mais algumas outras plantas prá dar uma melhorada no visual.
Meu vizinho, que é aposentado e tem um jardim muito bonito (tem tempo prá isto né) me passa algumas dicas e também já forneceu algumas das novas plantas.

Com minhas habilidades de jardinagem mais desenvolvidas e agora com as chuvas de inverno acho que meu gramado vai voltar "à vida" até a primavera.
Assim que estiver melhor eu coloco umas fotos rsrsrs

terça-feira, 15 de junho de 2010

Notícias da Austrália

Vou aproveitar hoje e usar um texto que a Giovana escreveu para mandar notícias aos amigos e família no Brasil.

Acho que é legal para dar uma idéia de alguém que está conhecendo a Austrália pela primeira vez e com planos de vir morar aqui no futuro.

"Olá pessoal,
Faz tempo que não mando noticias,he,he,he

Falta tempo :)


Aqui o clima é legal, o frio não é tão cruel como em Curitiba e Montenegro. O céu é sempre azul.
Quase sempre consigo entender tudo que nossos anfitriões falam, (lembrando que são o Beto e a Carla), mas os guris falam videogamez e inglês que as vezes há de se ter imaginação para entender...
Mas o Edu esta aprendendo o tal do "videogamez", outro dia estava me dizendo que o "calinha" (personagem no game) já ganhou camiseta de mago e sapatos, e que se o Gabi continuar ajudando ele vai ganhar um bicho tipo dragãozinho voador, para andar com ele no game. Como podem imaginar o Edu não tem problema nenhum...

Ah! Aqui tomo mais chimarrão que no Brasil, he,he,he - quem diria

A Carla organizou uma festinha de aniversário para o Edu: convidou uns casais de amigos, comprou uns salgados prontos, mud cake (bolo de chocolate) e sorvete, eu fiz uns brigadeiros e branquinhos, alguns balões e tava feita a festa.
O Edu adorou. Teve direito a Happy Birthday e Parabéns a Você.


Dá para ver como estamos passando trabalho...
Na 6ªfeira passada, eu o Edu fomos na Bell Tower, segundo dizem é a unico lugar do mundo onde se aprende a tocar um sino, lá fizemos um curso rápido de como tocar sino. Bem legal...


O Edu quis levar o Greg (cachorro de pelúcia verde) para conhecer Perth, e se tivessem fotogrado nosso passeio teriam me visto carregando o tal bicho de pelúcia. O Edu que não é bobo, quando viu que era chato carregé-lo, resolveu que eu seria a mãe do Gred e ele o pai, então eu carregaria a maior parte do tempo e nos lugares legais ele mostraria tudo para o Greg. (Que visão ele tem do que é ser mãe......)
Mas eu sou mãe desnaturada e guardei o Greg na mochila, he,he,he


Final de semana, no sábado a Carla e o Beto nos levaram para conhecer o centro de Gosnells e um shopping.

No domingo e na 2 ªfeira fomos ao Kings Park, muito grande, muito legal... Gente de todas as raças e crenças fazendo pic-nic.


Ah! No domingo conheci o mercado das Pulgas, o João ia adorar, de bicos de aspirador a canivetes Letterman (mas não comprei pois eu já vi todos aqueles modelos não sei se na mão do Thuma ou do João).
Mas fiz duas aquisições importantes um memory card e um "Pram" carrinho para carregar bebê.


3ªfeira - fomos ao Scitech - museu de tecnologia, muito bacana o Edu correu e brincou das 12h as 16h, e a noite pediu para fazer alguma coisa que as pernas estavam doendo muito.

Mas com o Pram, carrinho, nossa vida mudou e no dia seguinte fomos ao Zoo e chegamos em casa as 18h30.
Passeio a tarde toda, filho sem dor nas pernas e mãe sem dor nos braços e costas. Beleza!


Bom, hoje é 6ªfeira e vamos recarregar as baterias e ajeitarmos as coisas para aproveitarmos o final de semana.


Um beijo a todos,


Giovana e Edu"





O aniversariante feliz!


Andando de "Hot Rod", com a nova pistola de dardos de espuma
e um legítimo chapéu ozzie prá completar o quadro.

O que mais um "bloke" poderia querer?