quinta-feira, 14 de outubro de 2010

O Sapo, o Circo e a Saudade

Dizem que se pegarmos um sapo e o colocarmos numa panela de água fervendo ele vai pular fora imediatamente para salvar a pele, mas que se o colocarmos numa panela com água fria, e esquentarmos lentamente, o sapo vai morrer cozido sem se dar conta do que aconteceu.

Se isto é fato ou não, vou deixar para o meio científico atestar, mas é uma analogia que achei interessante para comentar o que acontece com os seres humanos durante suas vidas.

Aos poucos vamos nos acostumando com as coisas que ocorrem ao nosso redor, achando algumas vezes que as coisas estão mudando, mas sem a exata dimensão de onde esta mudança está nos levando.

Muita gente nem se dá conta, e vai levando a vida, um dia depois do outro sem maiores preocupações, e tentando dar um jeitinho de sobreviver na "água fervendo".

Outros conseguem ver que a "água está esquentando" e reclamam, mas são incapazes de "desligar o fogo" e vêem a situação piorar sem ter muito o que fazer.

Alguns outros ainda, inconformados, mudam-se prá Austrália... rsrsrs

Brincadeiras a parte, eu gostaria de comentar um pouco do que sentimos em nosso retorno de férias ao Brasil, após quase dois anos morando aqui na Austrália.

Estávamos curiosos para saber qual seria nossa reação neste reencontro com o país e, apesar de tudo, a gente vai com uma pontinha de esperança de que as coisas tenham mudado prá melhor.

Não sei se é por estar fora algum tempo e desacostumado da rotina no Brasil, ou se é porque algumas coisas "esquentaram" ainda mais por lá. Ou ainda talvez uma mistura das duas coisas, mas o fato é que algumas coisas nos chamaram a atenção, e infelizmente não foi para melhor.

Para quem está acostumado com motoristas que dão sinal até para estacionar no shopping, encarar o trânsito brasileiro novamente foi um grande desafio. Parece que todos no trânsito estão ali para competir pelo espaço e ninguém faz questão de ser gentil ou educado com os outros motoristas. Respeito à sinalização e regras de trânsito então, nem se fala.

Ficamos também impressionados com a quantidade de gente se esbarrando pelas ruas, bem como a quantidade de lojas populares proliferando por todos os lugares por onde passamos.

Na TV as mesmas mazelas sobre corrupção, escândalos e falcatruas (mas ninguém sabe e ninguém viu, e tudo acaba em pizza), e ainda uma onda de reality shows repletos de baixarias e "mulheres-hortifruti" (melão, melancia, moranguinho, pera, samambaia...) suficientes prá fazer uma feira completa.

Ruas e estradas continuam ruins, especialmente em Montenegro, onde comentar sobre isto é sempre tema de piada. Aliás, como tantas outras, mais uma grande piada de mau gosto com o dinheiro do contribuinte brasileiro.

Carros de som, catadores de lixo, cachorros de rua, pedintes. Tudo isto a gente sabe que existe no Brasil, mas ficamos tristes em reencontrar estas coisas novamente.

Mas o brasileiro é um povo cheio de esperanças e a ida às urnas renova as expectativas de um futuro melhor.

Coincidentemente, durante nossa visita tivemos que votar pois ainda não solicitamos a transferência do título de eleitor.

Chegamos uma semana antes da eleição e pegamos um pouco da campanha. Um verdadeiro Circo, em todos os sentidos. As mesmas promessas, os mesmos bate-boca de sempre e a mesma desilusão dos eleitores, tentando encontrar o candidato "menos ruim" para votar.

A grande novidade das eleições deste ano é que realmente conseguiram colocar um palhaço profissional como dono do circo.

Na segunda-feira após a eleição, eu estava no escritório de um amigo e comentávamos sobre o a curiosa, e aparentemente ridícula, eleiçao do Tiririca.
Foi quando uma mulher que estava aguardando no balcão falou: "a gente vota nestes caras que são doutores, cheios de estudo e tudo mais, daí quando são eleitos roubam e não fazem coisa nenhuma. Quem sabe se o Tiririca não vai ser um político melhor".

Pois é, a voz do povo é a voz de Deus, e os eleitores, alguns por protesto, outros para fazer piada, e outros com uma ponta de esperança, transformaram o Tiririca em um fenômeno das urnas.
O caso ficou tão famoso que a notícia foi publicada mundo afora, incluindo jornais aqui em Perth.

Mas independente de tudo isto, nossa viagem ao Brasil foi muito legal.
Apesar do curto espaço de tempo e da "agenda" cheia de compromissos, foi muito bom reencontrar a família, velhos amigos e lugares familiares para matar a saudade.

Nós estávamos lá de férias e sabíamos que as pessoas estariam trabalhando e tinham seus compromissos, mas queremos agradecer a todos os que encontraram - mesmo que por alguns minutos - um tempo para podermos matar a vontade de reencontrar os amigos.

Queríamos muito contar um pouco de como anda nossa vida depois da mudança e compartilhar as coisas legais que encontramos por aqui.

Depois destas nossas férias-maratona, revisitando o Brasil, ficamos mais convencidos de que a opção de migrar para a Austrália foi realmente boa para nós.
Como comentei com amigos, não existe o certo ou errado ao tomar uma decisão como esta. Tudo vai depender dos objetivos de vida de cada um e das expectativas em relação ao que cada pessoa quer para o seu futuro.

Tenho certeza que o Brasil é um país maravilhoso, de uma beleza e diversidade fantásticas, com um povo trabalhador e criativo e recursos naturais para torná-lo um país rico.
Mas isto vai exigir uma mudança cultural do povo brasileiro, e isto não se faz por decreto e não acontece de um dia para o outro. Somente com muito investimento em educação é que vai se mudar este quadro e serão necessárias algumas gerações para que isto aconteça. Mas quando chegar este momento, o Brasil terá potencial para estar entre os primeiros no mundo.

Bom, foram 33 horas para ir, 15 dias no Brasil e 35 horas para voltar.
Pouco tempo no Brasil, mas o suficiante para rever a turma e ficar com aquele gostinho de "quero mais".

Chegamos em casa na terça-feira a tarde - horário da Austrália - e na quarta-feira já voltamos à rotina novamente.

Não sabemos ainda quando será nossa próxima viagem ao Brasil, mas todos os convites que fizemos aos amigos para virem nos visitar estão valendo.

É só avisar que já colocamos mais água no feijão...
:-)

9 comentários:

Anônimo disse...

OLA! ROBERTO E CARLA.É SEMPRE BOM VOLTAR PRA CASA!!!!
OBRIGADA! POR SEUS "RELATOS" DE FERIAS É SEMPRE MUITO BOM LER O QUE VOCÊ ESCREVE, MAS MEU MUITO OBRIGADA MESMO É PELO PAPO QUE VOCÊ TEVE COM O MEU MARIDO ERNESTO, SUAS PALAVRAS FIZERAM A DIFERENÇA. ELE FICOU MAIS CONFIANTE!MUITO OBRIGADA! QUE DEUS ABENÇOE VOCÊS E OS MENINOS MUITO, MUITO...ANA CRISTINA - BH

Di disse...

Roberto e Carla, muito bom o post. Nós moramos 1 ano no Canadá e qdo voltmos ao Brasil tivemos as mesmas impressões. Acho que quando estamos longe da nossa pátria esquecemos das coisas que nos desagradavam e focamos apenas na família, nos amigos, na saudade, nos lugares que gostávams de ir, queremos dar um passadinha lá para ver como estão as coisas, mas logo em seguida a ficha cai que não pertencemos mais àquele lugar. Prova disto, estamos nós agora na AU (sapos inconformados kkkkk). Abraços!!!

Pedro Oliveira disse...

Beto!
Foi muito bom rever o amigo e a família e saber do sucesso da sua decisão. Esperamos encontra-los novamente em breve. Se demorar muito, provavelmente nós é que iremos visitá-los antes! Então mexam-se!
Um abraço do Pedro! (sapo na jacuzzi com água morna ou quente, não sei)

Luciane disse...

Oi Roberto, que bom saber que vcs foram e voltaram bem de viagem. Gostei do post eu e o Marcio demos boas risadas lendo. Já que não adianta chorar a respeito o jeito é dar risada.

Careca disse...

Pra mim tu é dois!

ADRIANO (DÊ) disse...

OI BETO E CARLA! MUITO BOM O QUE ESCREVESTE, MOSTRA QUE A TUA VISÃO SOBRE O QUE FAZER EM RELAÇÃO AO FUTURO DE VECES FOI O ACERTADO.NÃO DEVEMOS LAMENTAR O PASSADO OU A COISA QUE PODERIAMOS FAZER, PASSOU. O QUE VALE É O QUE SENTIMOS E VIVENCIAMOS E, NO CASO DE VOCES, FOI MUITO BOM. VEJO QUE DEPOIS DESTE PERIODO PASSADO E DE ADAPTAÇÃO, ESTÃO CONCIENTES DO ACERTO NA DECISÃO. PARABENS PELAS OBSERVAÇÕES SOBRE O SAPO, ÓTIMA COMPARAÇÃO COM A SITUAÇÃO DO PAIS. MAS LAMENTO NÃO TER PODIDO VER VOCES, NÃO TINHA COMO VIAJAR NESTE PERIODO, MAS NÃO FALTARÁ OPORTUNIDADE, TALVEZ COMO ME DISSE A CARLA,IREOS VISITÁ-LOS, SERIA UM BOM PASSEIO. ABRAÇOS. ADRIANO (DÊ).

ack disse...

Meu marido e eu estamos chegando em Brisbane no dia 04/11!
Uma perguntinha... tu é parente da Cris e da Roberta Muller de Montenegro?

Eu trabalhei 5 anos na frango...

Abraço
Ana Cláudia Kerwald

Roberto C. Muller disse...

Oi gente,
Agradeço a todos pelos comentários.
É muito bom ter retorno pois sempre que escrevo tento investir um pouco do meu tempo em algo que seja relevante e que possa dar uma idéia do que acontece com a gente em nossa vida aqui na Austrália.

É interessante também saber um pouco da reação de outras pessoas que passaram pela mesma experiência que nós.

Para a Ana Claudia,
Nós conhecemos a Roberta e a Cris, mas não somos parentes.
De qualquer forma, eu e o Egídio (pai delas) nos chamamos carinhosamente de "parantes".
Além disso adoramos almoçar no Bufe Milla.

Rogerio Caldeira disse...

Olá Roberto, a água já ferve a muito tempo no Brasil, poucos querem ver; a ignorância se torna uma saída mais tranqüila que a realidade. Nós moramos em Florianópolis, mas somos naturais do interior do RS com um "upgrade" na capital. As eleições mostraram que as mudanças profundas, muito profundas, vão demorar séculos.
Uma candidata construída por um presidente que é desrespeitoso com a justiça (cega), conseguiu manter no poder os mesmo indivíduos sem escrúpulos que queriam implantar o um sistema autoritário nos anos 70; Não avançamos e sim retrocedemos com esta política do "coitadinho" das "cotas" e outras que virão para aumentar a discriminação de quem trabalha e paga com honestidade os impostos surrupiados.
A eleição do Tirica demonstra o quanto respeitamos a educação e o passado da pessoa em prol da sociedade, uma verdadeira palhaçada com o país. Quanto a esta pessoa que comentou a eleição deste palhaço, a educação não é valor para ela e seus filhos, pois sempre existe uma outra opção, é só querer ver.
Nós estamos preparando as malas desde a segunda eleição do Lula, mas por alguns fatores logísticos ainda não podemos ir. A minha mulher embarca para Brisbaine em abril de 2011, onde poderá aprimorar o Ielts e observar uma cidade para migrarmos . Nossa primeira opção tinha sido Perth, mas devido ao trabalho dela, vamos ficar na costa leste, mesmo achando Perth muito interessante.
Fico feliz que você possa dar aos teus filhos e netos, melhores oportunidades de escolhas. É o mesmo que queremos fazer para a nossa filha. Abraços e parabéns pela coragem de pular da panela.
Rogério Caldeira -Fln