sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Quem é Mark Webber?


Quem é Mark Webber?

Prá quem acompanha Fórmula 1 não é muito difícil de responder esta pergunta.
Quem me conhece sabe que sou fã de Fórmula 1 e acompanho a categoria desde o tempo dos títulos do Emerson Fittipaldi.
(Ok, concordo, estou ficando velho mesmo...rsrsrs)

Mas sobre Webber, vou de qualquer forma dar um resumo aqui:
Mark Webber é australiano e piloto de F1. Aliás o único na categoria por muitos anos.
Antes dele os únicos que fizeram sucesso foram Sir John Arthur "Jack" Brabham - campeão em 1959, 1960 e 1966 - e Alan Jones - campeão em 1980.
Jack Brabham e Alan Jones são tidos como ídolos aqui na Austrália, da mesma forma como idolatramos Senna no Brasil.
Mas voltando à Mark Webber, ele nunca foi um brilhante piloto e sempre teve atuações apagadas desde que começou na F1 em 2002 pela finada Minardi e posteriormente pela igualmente defunta Jaguar.
Em 2009, correndo pela RedBull, conseguiu sua primeira vitória na categoria e alcançando oito pódiuns ao longo do ano.
No ano passado, disputando pela imbatível RedBull, Webber aproveitou de algumas trapalhadas do companheiro Sebastian Vettel e tomou a liderança do campeonato quando faltavam poucas provas para o final da temporada.
Com uma pressão enorme e a preferência (velada) da equipe por Vettel, Mark Webber acabou por desintegrar sua chance de ser campeão do mundo comentendo alguns erros básicos e tendo que se submeter a ordens da equipe para favorecer Vettel (alguém já viu esta novela antes?!?!).
Acabou o campeonato em um mirrado terceiro lugar e tendo que engolir Sebastian Vettel levando o título na última prova.

Tudo bem, já temos uma breve descrição de quem é Mark Webber e de como se desenrolou a F1 em 2010.
Então vamos ao ponto onde quero chegar:
No início deste ano, começaram a aparecer anúncios sobre a etapa australiana da F1 em Melbourne.
As propagandas diziam o seguinte: "A lenda australiana Mark Webber volta à Austrália. Venha ver nosso herói enfrentar seus maiores rivais Vettel, Hamilton e Alonso".
Seguidamente ele aparece também em comerciais, que vão desde vitaminas até automóveis.

Em resumo, não interessa se ele nunca foi um grande piloto, nem que ele jogou o título fora no ano passado, ou que teve que se submeter à ordens de equipe.
Ele é australiano e isto basta para que receba apoio incondicional da mídia e do povo.
Nunca vi uma piadinha sequer sobre ele, nem comentários pejorativos, nem charges, nada na mídia que o colocásse como fracassado.
Esta é uma amostra do espírito do povo australiano. Prá eles, tudo o que é daqui é melhor, maior ou mais importante. Mesmo que não seja.

Acho que deu para entender onde eu quis chegar, né?
Fico chateado de ver a forma como os pilotos brasileiros (além de outros esportistas) acabam virando motivo de gozação pelo fato de não estarem sempre no topo, vencendo todas as provas.
Fico também muito triste e chateado porque isto reflete a forma como o povo brasileiro se enxerga e tem a capacidade de se "auto depreciar" em quase tudo.
É uma pena pois acredito que teríamos condições de ser um país melhor se as atitudes do nosso povo fossem condizentes com isto.
O problema é que tudo acaba em piada. Ou pior ainda, em "pizza".


Novo Emprego
Alguns amigos mais chegados já sabem que recentemente troquei de emprego.
O que a maioria não sabe é que não foi tão fácil como parece.
Na realidade enviei muitos currículos e fiz várias entrevistas de emprego desde o início do ano.
O que mais pega é o fato dos processos de seleção serem geralmente longos e cansativos.
A primeira etapa é o currículo, que deve ser feito sob medida para cada vaga pois, como aprendi na prática aqui, os recrutadores vão procurar o candidato que tem mais a ver com os requisitos para a vaga. Óbvio que isto também acontece no Brasil, mas o nível em que eles vão aqui é muito maior, principalmente se for através uma agência de empregos.
É meio paradoxal, pois existe uma carência de mão de obra muito grande, mas por outro lado a decisão tem que ser bem feita logo de início pois caso o candidato não seja o ideal o processo tem que recomeçar novamente e o próprio fato de não haver mão de obra suficiente dificulta tudo.
Bom, se conseguir ter o currículo selecionado, a segunda etapa é geralmente uma breve entrevista por telefone. As vezes nem tão breve, pois em uma das vezes fiquei falando por uma hora em teleconferência com pessoas de uma empresa.
E aqui vale uma observação, prá gente que não é fluente em inglês falar pelo telefone não é fácil.
Mas sendo aprovado nesta etapa, passa-se para a próxima fase (como num jogo de videogame... só que bem menos divertido) que é a entrevista pessoal, que pode se repetir mais uma ou duas vezes dependendo de cada empresa e de como as coisas vão avançando no processo.
Em uma empresa chegaram a me mandar para um teste psicotécnico que demorou 4 horas prá completar. Saí de lá completamente zonzo, pois além do teste em si ser desgastante, raciocinar em Inglês torna as coisas mais difíceis ainda.
A estas alturas os recrutadores já restringiram os candidatos a menos de 3 ou 4.
Depois da(s) entrevista(s), caso ainda se continue no processo, os recrutadores requisitam permissão para obter referências de 2 ou 3 ex-gerentes ou colegas de trabalho.
Neste ponto os candidatos já foram reduzidos a 2 ou no máximo 3.
Geralmente te chamam para (isto mesmo) mais uma entrevista e ficam de te dar uma resposta dentro de poucos dias.
Com isto, cada processo de seleção levava semanas ou até mais de mês até ter um retorno.
Em pelo menos 4 destas oportunidades (Bunnings, iiNet, RAC e Tiwest) eu fui até a fase final, onde algum outro candidato conseguiu enganar melhor os recrutadores eh eh eh

Em compensação, quando mandei meu currículo para a Scope me chamaram para uma entrevista 4 dias depois.
Fiz a entrevista numa terça-feira, na quarta me pediram para contatar referências, na quinta me ligaram para perguntar se eu poderia ir novamente para uma reunião na sexta de manhã, e na sexta no final da tarde me ligaram para oferecer a vaga.
Me disseram que se eu aceitásse a vaga eles então avisariam a outra pessoa que a vaga havia sido preenchida por um candidato preferencial.
Finalmente tinha chegado a minha vez!!!

Comecei no início de Agosto, trabalhando com implementação de Business Intelligence, num trabalho bem parecido com o que eu fazia na Sadig.
A empresa é muito bacana, fica em Scarborough de frente para o mar. A vista é sensacional.
O único ponto desfavorável é que fica beeeem mais longe de casa e eu levo cerca de uma hora para ir e mais uma hora para voltar.
De resto tudo é melhor em relação ao meu trabalho anterior.


Mudanças na Rotina
Com o novo emprego algumas coisas mudaram em nossa rotina.
A Carla tem um pouco mais de coisas prá fazer, já que eu saio mais cedo e chego mais tarde do que antes. Felizmente os guris ajudam com algumas tarefas. Nem sempre muito felizes e outras vezes sob protesto, mas ajudam eh eh eh
Como tenho que me deslocar 30km para o trabalho e atravessar de SOR (South of the river) para NOR (North of the river) isto inclui passar pelo centro da cidade, que geralmente tem muito trânsito chegando pela manhã e no sentido inverso um bando querendo sair do centro da cidade no final da tarde.
Uma ou duas vezes por semana vou de carro (até porque tenho curso nas terças-feiras a noite no centro de Perth) e nos outros dias vou de transporte público.
Pego trem aqui perto de casa e depois um ônibus mais ao norte já perto do trabalho.

Nunca fui usuário de transporte público no Brasil, mas aqui não tenho o que reclamar. Os trens e ônibus são todos limpos, pontuais e eficientes. Fiz um cartão da Transperth que serve para utilizar o transporte público e tem desconto no preço da tarifa, o que é vantagem já que utilizo diariamente. Basta encostar o cartão nos leitores posicionados na porta dos ônibus ou nas estações do trem para registrar o valor.
Curiosidade: nas estações de trem existem quiosques automáticos para venda dos bilhetes. É só comprar a passagem e entrar no trem. Não tem "cobrador", só eventualmente os fiscais solicitam para ver se os usuários tem a passagem. Se não tiver: Multa!

No mais a vida segue o ritmo.
A Carla continua na Chemist e volta e meia quer matar alguém rsrsrs mas pelo menos o trabalho não é tão estressante, fica perto de casa e ela tem autonomia para fazer as coisas do jeito dela.
Os guris felizmente continuam super bem na escola e bem entrosados com novos amigos.
O Gabriel já se preparando para a excursão de final de ano, quando se "forma" na primary school. Ano que vem vai para o ano 8 na high school.
Na semana passada terminou a temporada de futebol e o Gabriel teve o último jogo. Foi legal participar com ele em cada jogo e também interessante para conhecer novos lugares, mas também vai ser bom poder dormir até um pouco mais tarde nos domingos de manhã
O Ricardo está se preparando para os anos 11 e 12, que são preparatórios para a universidade.
Esta semana fomos a uma reunião na escola dele para pegar um Macbook da Apple, que foi distribuído gratuitamente aos alunos da escola dentro de um programa oferecido pelo governo.
Ele vai ficar com o notebook até o final do ano 12.

Sempre tem muita coisa para contar e mostrar. O problema é achar tempo...


Esta é a vista do escritório do meu novo trabalho em Scarborough

11 comentários:

Nadia disse...

Que vista linda! Melhor que dos offices na frente do Swan river.

Turquezza disse...

Adorei o post. Parabéns pela maratona!
Família unida é muito bom.
Não vá ficar olhando pela janela e sem trabalhar, heim !!!!!
Boa sorte.

Joice disse...

Tá bem de vista hein Beto! Uuuuuhh! Que beleza! Parabéns por essa gurizada bacana aí, pelo jeito vão que vão.

Vitor disse...

Olá, sempre li seu blog e daqui 1 semana finalmente chegou minha vez de poder viver isso, estou indo pra perth tambem espero gostar da cidade forte abraço

tassia eloi disse...

meu namorado mora ai em south perth, sou Terapeuta Ocupacional e estou querendo ir prai, mas tenho uma filha de 2 anos e 9 meses, gostaria de saber a respeito de escola pra ela se existe a possibilidade de escola publica, e eu não falo nada de ingles quero ir pra aprender mesmo, qual dica e no que podem me ajudar???

Roberto C. Muller disse...

Oi gente, obrigado pelos comentários.

Tassia, se quiseres me passa teu email que eu te mando algumas informações adicionais prá te ajudar na decisão de vir prá cá.

Anônimo disse...

Olá,

Gostaria de falar com você por email. Trabalho na RedeTV! Entre em contato se puder, por favor?

patricia@redetv.com.br

Obrigada,

Patricia

Roberto C. Muller disse...

Oi Patricia, tentei te enviar um email porém retornou com a mensagem de que esta conta não existe. Se quiseres me envia uma mensagem no rcmuller@ymail.com.

HeyMate.TV disse...

Muito bom o blog. Muito bem feito! Estamos fazendo um trabalho parecido aqui na Austrália. Seria bem legal se a gente contasse com opinião de pessoas como vocês, tem uns videozinhos bacanas... visitem lá www.heymate.tv um forte abraço!

G Luchesi disse...

Que feio este céu, melhor ficar olhando para tela, k,k,k,k
Brincadeira, a praia é linda e o bom que todo mundo anda vestido, não desvia muito a atenção do trabalho,k,k,k
Isso é qualidade de vida, e você trabalha bastante para chegar ai ... Sucesso!

Ana Cristina Rocha Ribeiro disse...

Ola, como vai?
Econtrei o seu blog, achei muito interessante, e gostaria de saber se vc poderia me passar algumas informacoes? Eu e minha familia moramos nos EUA por 20 anos, ha 6 anos nos voltamos ao Brasil, mas nao esta dando muito certo. Gostaria de saber como e mudar com a familia pra ai? Como funciona as escolas? E qual seria o melhor tipo de visto para pedir? Ja li quase todas as paginas do seu bolg, mas ainda ha algumas informacoes q ainda nao estao claras. Muitas coisas sao parecidas com os EUA pelo o q ja percebi.Obrigado Abaracos